Este eh o meu primeiro post num aeroporto…momento Valisere!Estou em Congonhas, que esta fechado para pouso, e a caminho do Rio.Sinceramente, ate o Steve Wonder pousaria o LearJet dele aqui, pois o dia esta lindo, aberto. Vai entender o que a torre do aeroporto esta vendo…

Ja enchi a caixa de entrada de alguns colegas da Coface, assim como ja troquei varios e-mails com colegas de Paris (que esta 5 horas na nossa frente). Um Blackberry eh uma arma perigosa num momento tedioso como esse…

Mas vamos ao credito e sua volatilidade:

1. Para PFs e PJs que tem divida (ie, a maioria), credito deve ser previsivel, estavel, sem altos e baixos.

2. O volume de credito no Brasil em relacao ao PIB ronda os 36%, sendo que ha um ano estava ao redor de 31% – e$ 2002 era 22%. A minha estimativa eh que – se nao houver uma hecatombe internacional que afete o Brasil – chegaremos a 40% do PIB em 2009.

3. Isto sera otimo para o nosso padrao, mas ainda assim estaremos longe de um Chile (67%) ou China (100%).

4.Desde 2002, portanto, a oferta de credito vem crescendo de forma estavel – pouco a pouco -, dando previsibilidade aos tomadores. Os juros cobrados vem seguindo a Selic, com maior ou menor correlacao.Isto eh bom tambem, pois transmite seguranca.

5. O que mais temo eh volatilidade de credito, com vies de baixa, ie, oferta crescente seguida de retracao. Este vai-e-vem, como presenciamos nas decadas de 80 e 90, quebram pessoas, empresas, bancos e finnaceiras. Sem falar que a falta de previsibilidade e risco associado aos emprestimos, desacelera a economia fortemente. As consequencias sao menor emprego, menor renda, menor consumo, lucros e investimentos empresariais reduzidios. Como isto so pior a condicao crediticia dos tomadores, os bancos, deguradoras de credito e financeiras se tornam ainda mais conservadoras.

6. Eh um circulo vicioso de dificil reversao, com alto custo economico e social.

Eh por isso que eu bato na tecla de que devemos ser mais cuidadosos na concessao de credito para “tomadores de primeira viagem”, em especial para pessoas de renda baixa e volatil, e PMEs sem estrutura e um nivel minimo de gestao – acho que vivemos dias de excessiva liberalidade e meu temor eh que, ao inves dos atuais 36% do PIB sigam em direcao dos 40%, reverta e siga na direcao dos 30%.

Fica a provocacao: devemos seguir acelerando a economia e o bem-estar das pessoas atraves do credito, ou vale mais a pena segurar o credito, tornando este processo mais lento?

Vamos la, nao tem certo nem errado. Opinem.

…E acabo de completar exatas 2 horas de cha-de-cadeira…ha rumores que o Steve Wonder realmente pousou…