Olha, eu acho que este governo vem conduzindo a economia com competência. Ele soube surfar corretamente a onda do crescimento mundial, assim como tornou o Brasil um destino atrativo para o capital internacional.

Mas o cenário está mudando rapidamente e fica a dúvida se este mesmo governo saberá lidar tão bem num mercado “bearish” (de baixa) como soube lidar no momento “bullish” (de alta).

Os desafios são:

  1. A economia mundial incrivelmente desbalanceada (vide último post).
  2. Inflação em alta por aqui e juros subindo.
  3. Taxas de juros (para o tomador clássico) já num patamar altíssimo – e subindo.
  4. Balança de transações correntes deteriorando-se rapidamente.
  5. Dolar ‘derretendo’, ainda que tenda a reverter (abruptamente?).

Bem, com tantos problemas para se preocupar, o Ministro vem ocupando-se com uma das poucas unanimidades nacionais: o tal Fundo Soberano. Uma outra unanimidade seria, com certeza, o “Fora Dunga”! E os juros altos também, naturalmente.

Hoje o Ministro deu uma daquelas entrevistas inconvenientes, na porta do Congresso (após se explicar sobre o Fundo Soberano), cercado por dezenas de microfones, tendo que negar o obvio. Um horror.

O link abaixo dá uma boa noção. Eu basicamente não concordo com nada do que ele falou sobre crédito. O pessoal do Jornal das 10, da Globonews também não.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u418518.shtml

Ele diz: “O crédito não pode crescer 30% ao ano, mas uns 25% está bom”. Pelo amor de Deus… Espero que esta fala tenha sido deturpada pelo caos da entrevista.

Abraços – e não se endividem no curto-prazo, salvo se tiverem uma causa muito nobre, e muita segurança do que estão fazendo!

Anúncios