http://br.invertia.com/noticias/noticia.aspx?idNoticia=200807181810_IVN_193442

O texto acima cai como uma luva para um assunto que eu sempre gosto de reforçar aqui no blog: a imensa variação que existe no custo do dinheiro – para mim, para você e para sua empresa (e todas as demais).

Foquemos no caso das empresas, mais especificamente na linha de crédito para Capital de Giro: o texto diz que elas variaram entre 36,73% e 60,18% – ao ano. Vamos aos fatos (não são hipóteses ou “achismos”, não):

  1. Não existe banco bonzinho que cobra só (?!) 36% a.a. e outro malvado e careiro que cobra 60% a.a. Estas taxas são encontradas em todos os bancos.
  2. Também não é verdade que só empresas grandes e mais sólidas conseguiram captar com taxas mais baixas (?!), tipo 36% a.a., enquanto as pequenas e frágeis tiveram que pagar na faixa dos 60%.
  3. Naturalmente, há concentração das maiores na faixa de custo mais baixo, assim como de menores na faixa de custo mais alto – mas isto não é uma regra imutável! Você pode mudar isto!

Surpreso? Sigamos em frente:

  1. Regra 1: paga juros mais baixos aquelas empresas que têm oferta de crédito (volume) muito mais alto do que precisa – e pode fazer o chamado “leilão” entre os bancos.
  2. Regra 2: empresas de idêntico porte, setor, região e solidez podem pagar taxas de juros completamente diferentes umas das outras!

Eu já escrevi sobre isto – ad nauseum -, mas tal como um mantra, vamos de novo:

  1. Dê atenção ao assunto crédito; tenha relacionamento de trabalho (não de cafézinho ou futebol) com o pessoal do banco; faça com que conheçam bem a sua empresa (pois assim terão mais segurança em aprovar maiores limites); mantenha-os informados sobre as coisas boas da sua empresa e antecipe os seus problemas (não gere más surpresas, nunca!).
  2. Sempre trabalhe com mais bancos do que precisa, pois: (a) nunca se sabe quando um deles irá reduzir ou cancelar seus limites, (b) isto ajuda a forçar os seus bancos do dia-a-dia a melhorarem as taxas e tarifas para a sua empresa.
  3. Quem deixa para tomar dinheiro quando mais precisa, mais caro paga! Planeje precisamente as suas necessidades de caixa e vá negociando com os bancos antecipadamente.

Fácil, não? Mas poucos fazem, e por isso a maioria paga 60% e não 36% a.a.

Abraços, FB