Este é um tema recorrente deste blog, pois acho que a turma se endivida demais, porque controla suas finanças de menos.

No Estadão de hoje, Mailson da Nóbrega, ex-Ministro da Fazenda e sócio da Tendências Consultoria, aborda o tema. Lamento, mas não achei o link, então segue abaixo um resumo da visão dele.

  1. Os governo dos EUA criou o Conselho de Alfabetização Financeira, sob a presidência de Charles Schwab (fundador, acionista e CEO da maior corretora de valores dos EUA). Este Conselho sugeriu a inclusão deste assunto no currículo escolar do 2o grau.
  2. Este Conselho também estimulou a criação de grupos voluntários – compostos por especialistas – para aconselhar pessoas com dificuldades financeiras. Influenciaram até o Congresso americano a criar o Mês da Alfabetização Financeira (sempre nos mês de abril).
  3. A França segue na mesma direção.
  4. No Brasil, diz Mailson (e eu também), a desinformação sobre temas financeiras e econômicos não se limita ao público, mas invade as faculdades de Direito, produzindo sérios danos para o sistema econômico com um todo.
  5. Em nosso país, lamentavelmente, seguimos em direção oposta, incluindo temas como Sociologia e Filosofia no currículo escolar.

É assim: no futuro, nossos cidadãos endividados no cheque especial e no cartão de crédito (a juros acima dos 8% a.m.), possivelmente saberão “de onde viemos e para onde iremos”, mas continuarão não sabendo a origem e o destino do seu próprio dinheiro.

Oremos! FB