Olá, em reação ao recente post sobre desaceleração, o amigo Fred Madureira – executivo do Banco Real e mestrando em Economia na UNICAMP -, nos brinda com a bela análise abaixo. Abraços, F.

PS: alguém pode até não concordar com esta análise, mas ela é seria, fundamentada e sem víes (“comprado” ou “vendido”). Diferentemente de um monte de “chutadores” que dão declaração para a mídia diariamente.

Acredito que o prazo de desaceleração será maior que os observados nos ciclos anteriores de crescimento da economia brasileira. Na década de 90 e início dos anos 2000, os ciclos de crescimento foram liderados pelo consumo privado, gasto do governo ou pelas exportações.
Já no ciclo atual de crescimento, a principal diferença é a formação bruta de capital fixo (investimento) que cresceu bem acima do consumo das famílias e do governo (ver link abaixo).
A teoria diz que o investimento produz um efeito multiplicador na economia, isto é, um aumento no investimento produz um aumento na renda nacional em quantidades superiores ao próprio incremento do investimento, ou seja, há um efeito ampliado na renda nacional. Por isso, creio que o prazo de desaceleração será maior que o normal.
Por outro lado, concordo que a desaceleração é inevitável e que os investimentos estrangeiros não compensarão a redução da demanda interna. Com uma crise lá fora, as empresas estrangeiras tendem naturalmente a reduzir investimentos em países emergentes ou demandar maiores remessas de capital para a sua matriz para recompor a suas posições financeiras fragilizadas.

Em outras palavras, por causa dos investimentos, a desaceleração não deve ser tão intensa como o esperado e deve demorar um pouco mais para a economia desacelerar.
Segue o link do IBGE para os interessados:
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/pib/defaulttabelas.shtm
Abs
Fred

Anúncios