Se fosse tão simples e se fosse só isso estaria bom demais…

Abaixo uma declaração do ministro Guido Mantega. Ele fala que o governo está pronto para ajudar o país se faltar crédito por conta da crise internacional. Eu me pergunto como! O BNDES está solicitando aumento de capital gigante para dar conta da demanda por empréstimos de longo-prazo, essenciais para o desenvolvimento de grandes projetos. Em outras palavras, não um centavo de dinheiro público disponível para ajudar ninguém no momento. Só se o governo fizer algum tipo de renúncia fiscal. Leiam o link.

E ele volta a dizer ser contrário a expansão do crédito nos níveis atuais, no Brasil. Concordo 100% com ele.

Conforme já comentado, bancos e empresas brasileiras não estão conseguindo levantar recursos no chamado euromercado de bonds – incluindo o BNDES (e é por isso que precisa de recursos do Tesouro). Desta forma, precisam captar recursos no caro – e cada vez mais escasso – mercado em Reais. Acontece que o governo brasileiro também compete por este dinheiro, pois precisa rolar sua dívida interna.

Eu vejo os juros subindo rapidamente – e não é a SELIC, mas sim a taxa final, por conta do encarecimento do funding dos bancos. Mais do que nunca o governo tem que segurar suas despesas, pois quanto maior o seu superavit, menos precisará captar no mercado, permitindo que a liquidez flua para os bancos, para que estes possam emprestarem para seus clientes.

As rolagens para os endividados que não conseguirem pagar suas dívidas serão particularmente salgadas. É hora do cidadão puxar o freio de mão dos seus gastos também. Por outro lado, os bancos já estão brigando pelo nosso suado dinheirinho. As taxas dos CDBs estarão subindo também. Mais um bom motivo para poupar.

http://br.reuters.com/article/domesticNews/idBRN1752817220080917?pageNumber=1&virtualBrandChannel=0

Lá fora, a repercussão mostra que passado o risco sistêmico, as bolsas continuam fracas, nos EUA, Europa e Ásia.

Abraços, Fernando