Política em Washington

Esta 4af será um tanto sem graça, pois membros dos DEM’s + REP’s + GOV’s estarão trancados negociando os termos do pacote Paulson visando sua aprovação no final do dia.

Ao analisar a imprensa internacional de alto nível (Ver Blogroll ao lado), parece que alguns senadores que votarão “NÃO” teriam se arrependido, pois sentiram que a reação do mercado foi pesada demais. E como eu já disse antes, estes mesmos senadores e seus eleitores também têm carteiras de ações que, supostamente, garantirão uma aposentadoria tranqüila. Tem que aprovar o pacote; este ou outro e rápido.

Evidências de recessão nos EUA

As cotações do mercado futuro dos índices de ações americanos caíram fortemente – o futuro de dezembro havia perdido 13% hoje cedo. Isso significa – e foi confirmado por estrategistas de bancos – que o mercado acredita que a recessão que virá pela frente irá machucar o resultados das empresas. Como dissemos anteriormente, o sobe-e-desce enlouquecido desses dias foi pura especulação em cima do Plano Paulson. A realidade está melhor refletida nos futuros. Chequem a Bloomberg (ao lado).

A Bloomberg cita que “empresas famintas por caixa estão cortando a distribuição de dividedos aos seus acionistas”. Como estas companhias perderam acesso ao crédito (o mercado de money-market ou de commercial papers secou), elas não têm sobras de caixa para nada.

Consequências negativas para o Brasil

Este fato reforça comentários anteriores deste blog de que o Brasil não terá vida fácil enquanto a economia internacional não se refizer desse desastre. Vejamos:

1. Empresas multinacionais, duramente impactadas em seus países, cortarão investimentos em outros mercados. Sempre foi assim e assim deverá acontecer agora. Se elas não têm caixa para sequer distribuir dividendos, como irão investir, digamos, no Brasil?

2. O mesmo se aplica aos outrora agressivos Hedge Funds, Private Equity, Sovereign Funds, etc. Estes perderam muito dinheiro, seus investidores idem e não terão crédito disponível para comprar alavancadas. Estes fundos, que vinham para cá com voracidade, comprando empresas de todo o tipo, deverão ter muito menos ‘musculatura’ nos próximos dois anos.

3. Portanto, vai aqui o alerta para a nossa Balança de Pagamentos: se a nossa Balança de Transações Correntes (Comercial +/- Juros) continuar se corroendo, não adiantará contar com a Balança de Capitais para compensar, pois (a) Empréstimos secaram e assim continuarão por muito tempo, (b) O mercado de bonds também secou, (c) Investimentos diretos serão muito mais criteriosos. 

Portanto, nossa economia deverá crescer com base na nossa pífia poupança interna. Vai ser dureza! E os juros serão muito altos…

Abraços conservadores, F.