Prezados,

A partir deste post, o Blog do Crédito inicia novas Categorias de posts, conforme abaixo:

  1. A Crise e Você: Pessoa Física
  2. A Crise e Você: Pessoa Jurídica
  3. A Crise e o seu Setor: um setor de cada vez

Além da visão macro e internacional dos acontecimentos, humildemente me proponho a contribuir de forma mais específica com os participantes deste Blog. Vamos então ao primeiro da série.

Setor: Agricultura e Fertilizantes

Estamos todos sabendo que as linhas para financiamento de exportações (os famosos ACCs/ACEs) estão muito escassos porque são linhas vindas de bancos internacionais e estes precisam do dinheiro em suas próprias casas-matriz. Já o financiamento em reais, via crédito rural, é uma linha que todos os bancos que captam depósitos à vista têm obrigação de repassar para fazendeiros e/ou empresas do agronegócio. Nesse front, parece-me que as coisas também não andam com a devida agilidade. Esta é a conclusão que se tira a partir da gritaria dos agricultores e das declarações do governo (que reclama dos bancos).

Exemplo real da situção:

  • O enxofre é insumo essencial para a fabricação de fertilizantes.
  • Sua oferta advém das petroquímicas (subproduto) e da extração de minas (russas e canadenses).
  • Com o aquecimento da demanda mundial de alimentos nesta década (graças ao crescimento da China e dos demais emergentes), o preço da tonelada de enxofre chegou a USD 900/tonelada.
  • Isso porque a indústria de fertilizantes consumia todo o enxofre que era ofertado.
  • Sabe quanto está o preço hoje? Meros USD 70/tonelada, i.e. o preço do frete doméstico!

As fábricas de fertilizantes pararam porque o agronegócio se estocou e porque o agronegócio não irá comprar por falta de linhas de crédito. Esses são os sons que vêm do campo…

Conforme já havia postado recentemente, a tendência é que a produção e a produtividade da nossa produção de grãos caia em 2009. Com isso, cairá também a renda no campo e, por tabela, cairão também o consumo das famílias que vivem do setor e o investimento da agroindústria.

Preços: está claro que a oferta será menor e que isso faria com que os preços dos produtos agrícolas subissem. Mas como a demanda externa deve diminuir também (por conta da recessão), eu não acho que teremos uma inflação vinda do campo.

Crédito: o agronegócio nunca teve vida fácil para obter crédito, seja de bancos ou de seguradoras de crédito. Há o fator climático, que não é controlável por ninguém e gera prejuízos para toda a cadeia (incluindo o elo financeiro). Um outro fator 100% controlável é a gestão do relacionamento de crédito, que é muito mal feito pelo setor. Em sua esmagadora maioria, existe muita informalidade e isso atrapalha a concessão de crédito. Vale muito mais a reputação, os dados físicos da produção e os preços dos produtos, sem falar nas garantias oferecidas. Num ano difícil como este, o setor sofrerá mais do que de hábito. E a única saída é saber demonstrar sua capacidade de superar a crise. Como sempre, uns conseguirão, outros não…

Setores mais penalizados:

  • Fertilizantes e defensivos agrícolas
  • Tratores e implementos agrícolas
  • Caminhões e transporte em geral (incluindo o frete)
  • Consumo de bens e serviços nas regiões agrícolas

Sofrem estes e todos aqueles que dependem destes. Fique de olho.

Abraços,

Fernando