Este post se baseia integralmente no jornal francês Les Echos (equivalente aos nossos Valor Econômico e Gazeta Mercantil).

Primeira revelação: enquanto aqui no Brasil o nosso Banco Central utiliza a famosa (para os ‘iniciados’) pesquisa Focus para balizar a visão dos bancos sobre os mercados, na França o Banque de France tem uma pesquisa equivalente voltada à identificação das perspectivas para o crédito no país.

Parece bobagem, mas bem demonstra o viés pró-“mercados” que temos no Brasil. Enquanto isso, o crédito fica ao Deus dará. Como vivo escrevendo e falando, no Brasil todos querem “ficar ricos rapidamente”, daí o sucesso que temas como bolsa e dólar fazem. O crédito, ou melhor, a sua ausência, mata empresas. E mesmo sabedores desse terrível flagelo pessoas, empresários, lideranças empresariais, políticas e governamentais tratam o assunto com incrível amadorismo.

Desabafos à parte, as conclusões fresquíssimas da pesquisa francesa são:

“No terceiro trimestre, mais de 75% dos bancos endureceram seus critérios de atribuição de crédito para as empresas (“um pouco” para 44% dos bancos e “muito” para 33% destes). Esse endurecimento, mais marcante que a última previsão realizada em julho, se intensificou para as pequenas e médias empresas vis-a-vis as grandes. Para o último trimestre, mais de 75% dos bancos têm a intenção de endurecer ainda mais seus critérios de concessão de crédito.”

Interessante notar que a pesquisa destaca que a demanda por crédito vem caindo, mas principalmente por parte das grandes empresas. Conclusão: grandes projetos sendo adiados. Já as pequenas e médias empresas, que vivem do capital de giro do dia-a-dia, continuam demandando…e sendo mal atendidas.

Não precisa ser um PhD em banking para dizer que a situação é idêntica no Brasil. Quem menos precisa, i.e. as grandes, têm mais oferta; já as que mais precisam, i.e. as PME’s têm menos oferta.

A pesquisa/estudo pode ser acessada pelo link abaixo:

Um outro artigo do mesmo jornal Les Echos (link abaixo) traz uma ótima avaliação sobre como o Brasil está preparado para enfrentar a crise. Eu sou citado no final do artigo, dizendo estar “preocupado” com a dificuldade com o refinanciamento das dívidas. Nada de novo…

http://www.lesechos.fr/info/analyses/4795005-le-bresil-fait-de-la-resistance-face-a-la-crise.htm

Cordialement, au revoir,

Fernando Blanco