Amigos – na edição de hoje da Folha de S.Paulo, eu e outros executivos de seguradoras de crédito fomos entrevistados pela Cristiane Barbieri que fez uma reportagem 100% focada no tema, mas por conta da crise.

Em suma:

  1. Empresas exportadoras estão perdendo dinheiro porque seus importadores nos EUA e na Europa (destaque para o Reino Unido) enfrentam sérias dificuldades financeiras.
  2. Empresas também perderão dinheiro no mercado doméstico porque seus clientes internos também terão dificuldade para pagar pelas mercadorias/serviços que comprarem.
  3. O seguro de crédito é um produto que reduz tais perdas em condições normais de mercado.
  4. Neste momento de crise aguda, todas as seguradoras estão muito conservadoras e não será fácil conseguir seguro.

Num comentário recente aqui no blog, o Paco Debonnaire, que coincidentemente trabalha com seguro de crédito na França (não na Coface), nos dá a sua visão. De fato, a procura pelo seguro aumentou muito e o negócio aqui no Brasil tende a crescer. Ele é extremamente popular na Europa e na Ásia, mas ainda engatinha por aqui. No entanto, não adianta as empresas quererem proteção quando já está tudo escancarado.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi1611200822.htm

Boa leitura + abraços,

Fernando