Caríssimos,

Poucos temas são tão importantes na economia como uma adequada estimativa do crescimento da demanda agregada, ou PIB. Isso vale tanto para o empresário (que precisa planejar sua oferta e seus investimentos), quanto para o cidadão, que antes de se meter em grandes dívidas, poderia estimar a probabilidade de manter seu emprego.

Por outro lado, a evolução do PIB nos dá apenas a direção do AGREGADO da economia. Em outras palavras, ela não é capaz de nos dizer muito sobre o nosso setor de atividade, sobre nossa empresa ou nosso emprego. Até porque tem setor que irá bem, mesmo com a economia indo mal e tem setor que irá mal, mesmo com a economia indo bem. E o mesmo vale para empresas, pois tem companhia perdedora em setor sólido e companhia vencedora em setor ruim.

Isto posto, temos:

1. O Banco Central nos informa mensalmente o resultado da pesquisa que ele faz junto aos departamentos de análise macroeconômica dos bancos – conhecida como Focus. Sigamos: todos sabem que a crise atual mostrou sua cara no dia 21 de janeiro último. De lá para cá, apenas tivemos novas evidências do que já deveria ser óbvio para quem vive de estudar a economia e o sistema de crédito. Pois bem, olhem os resultados da projeção do crescimento do PIB para 2009, segundo a pesquisa Focus ao longo deste ano:

  • Mar: 4,06%
  • Ago: 3,60%
  • Out: 3,10%
  • Nov: 2,80% 

Francamente…em apenas 1 mês, o pessoal reduziu em 0,3% o crescimento econômico do ano que vem! O que aconteceu de novo de outubro para novembro? Repito, francamente!

2. Enquanto isso, em Brasília, o Ministro Mantega, i.e. o Governo, continua achando que cresceremos 4% em 2009. Como não é ele quem calcula esses números, creio que ele está mal assessorado. O seu colega do Planejamento, Ministro Paulo Bernardo, vem justificando essa estimativa porque o governo “não ficará de braços cruzados”.

3. Leio hoje que o famoso economista Edmar Bacha (atualmente consultor econômico do Itaú) estima um crescimento do PIB ao redor de 2,8% para 2009. Até aí tudo bem. O pior é que ele estima este valor (ou qualquer outro valor) e depois diz o seguinte: há duas correntes de pensamento. Uma que fala que estamos numa situação semelhante aos anos 30 com destruição do sistema financeiro, e que aponta para uma demora maior na retomada. A outra, mais otimista, diz que já foram destruídos os excessos criados pelo sistema financeiro paralelo e sem adequada regulação, o que acelerará a retomada. “Ainda não sabemos quem está com a razão”, ele conclui.

É assim: ele tem razão em dizer que não sabemos mesmo quem tem razão. Ele não exagera ao sugerir que, sim, é possível que ainda venhamos a ver – em breve – a ruína do sistema financeiro internacional do jeito que conhecemos hoje. Os 2,8% que Bacha estima para 2009 valem apenas para a hipótese mais otimista.

4. O produto brasileiro crescerá algo como 5,2% em 2008, mas isso graças ao enorme “carry-over” de otimismo que tomou conta do país no primeiro semestre do ano. Como essa crise global nasceu no centro do capitalismo (EUA e Europa), sua irradiação é mais lenta e, portanto, só chegou aqui neste 4o. trimestre. Muitos dizem que haverá outro “carry-over” para 2009. Sei não. Tem uns poucos economistas sérios que acham que teremos crescimento ZERO neste quarto trimestre, i.e. não haverá crescimento inercial para ajudar 2009 a “pegar no tranco“!

Muito cuidado, portanto, com as previsões de analistas e dos “analistas”. Eles(as), quando projetam,  o fazem a partir dos dados disponíveis no momento da análise e sempre as atualizam (i.e. jogam fora a anterior!). Só que você, empresário/cidadão, quando toma suas decisões de vida não pode se dar ao luxo de apertar a tecla DELETE no meio do projeto, e retomá-lo do início, pois as dívidas já foram contraídas, as pessoas foram contratadas, etc.

Vida de analista é bem mais simples do que a sua, empresário e cidadão comum!

Abraços! F.

Anúncios