Eu não irei analisar as notícias de jornais passados para vocês, mas irei destacar algumas informações que obtive – de fontes top – após as muitas (!) reuniões, apresentações, eventos, etc. que participei.

1. A siderurgia parou geral, ou quase. Péssimo alerta que vem da economia real. Pararam os aços planos e os especiais, i.e. automóveis, máquinas, construção civil, etc. – está tudo parado. Dezembro melhorou um pouco, mas a turma está VENDENDO ESTOQUE. A perspectiva de produção de novos produtos não é animadora, pelo menos no primeiro trimestre de 2009.

2. O BNDES não está liberando Finame? Foi isso que ouvi de algumas fontes diferentes. Não me surpreende, pois há tempos que eu venho alertando que o banco federal desembolsou muito ao longo de 2007 e 2008, com prazos cada vez mais longos. Mais cedo ou mais tarde iria faltar caixa. E lembram quando o BNDES teve que emitir um ordinário CDB para fazer frente aos seus desembolsos? Vale lembrar que todas (!) as empresas que previam captar dinheiro no exterior para fazer frente aos seus planos de investimentos, vêm captando do BNDES.

3. Executivos alemães me contam que a recessão européia iniciou-se pura e simplesmente por conta do medo de contágio da crise americana do subprime – quer dizer, pegaram gripe antes mesmo do contágio do vírus. Quando os bancos europeus começaram a dar sinais de fragilidade, por conta das perdas com papéis subprime, a recessão já estava instalada. Morro de medo do Efeito Japão, em que a população e os empresários perderam a confiança na economia e só poupavam (consumiam e investiam apenas o mínimo, apesar da taxa de juros fortemente NEGATIVA). A Europa segue pelo mesmo caminho. Alguém leu ou ouviu a palavra CONFIANÇA por aí?

4. O números de setores em que as vendas pararam no varejo até assusta! Se por um lado as “bondades” fiscais recém anunciadas pelo governo ajudaram o varejo automotivo, por exemplo, a venda de motos está paradinha!

5. Ouvi de um sujeito “insider” de banco de investimento que a crise de derivativos exóticos só não chegou pra valer aqui no Brasil por…falta de tempo. Segundo ele, tinha muita gente se animando com os “ganhos fáceis”, mas aí o ‘castelo de cartas’ ruiu…

6. É impressionante o grau de ignorância generalizada sobre esta crise! As pessoas ainda comparam esta Crise de Crédito com as outras Crises Cambiais. Quem frequenta este espaço já sabe a diferença. Mas surpreende feras de mercado se atrapalharem tanto. Sem contar a turma do “otimismo”, que vê a crise piorar a cada dia que passa…

7. Os Private Equity funds que estão capitalizados (i.e. uns poucos) estão bem posicionados para comprar empresas a um custo bem mais baixo do que o fariam até outro dia (quando tudo estava inflacionado por conta do excesso de liquidez). Mas em contra-partida, que não se espere dinheiro novo tão cedo, pois os investidores lá fora estão pra lá de retraídos.

8. Ouvi de headhunter de primeiríssima linha que “até que enfim a balança se equilibrará, pois o que tem de candidato de segunda-linha se vendendo como gênio…e levando vagas e pacotes de remuneração muita acima da sua competência, é um absurdo”. Em outras palavras, havia uma ‘bolha’ até no mercado de executivos.

Talvez vocês não tenham enxergado nenhuma grande novidade nos fatos acima, mas foi importante para mim trocar visões com tantos executivos e empresários de 1a. linha em tão poucos dias. Ajudou a confirmar algumas teses, pelo menos.

A qualquer momento também comentarei sobre os recentes fatos econômicos e medidas governamentais e seus impactos no crédito. Aguardem!

Abraços, F.