Este post foi inspirado nos – e é dedicado aos – novos amigos que chegaram ao Blog através das ferramentas de busca. Eles vêm solicitando explicações sobre o tema e abaixo eu estruturo o texto conforme perguntaram para o “Oráculo Google”. Para os que ainda não a encontraram…

1. Primeiro passo para obter Crédito

> Pessoa Física:

  • Conhecer a geração de caixa do seu negócio
  • Ter um fluxo de caixa futuro detalhado
  • Saber demonstrar claramente para o banco como e quando irá pagá-lo
  • Preparar um Plano de Negócio da sua empresa, e.g. o que a empresa faz, como faz, estrutura operacional, mercado em que atua (clientes, regiões, produtos), estratégia do negócio, análise da concorrência, quadro acionário e equipe de executivos, plano de sucessão (se fizer sentido), números (balanço, demonstrativo de resultados, fluxo de caixa), perspectivas do negócio, análise dos riscos do seu negócio
  • Saber apresentar e discutir tudo isso com o seu banco
  • Ter capricho na apresentação, i.e. qualidade do papel, correção ortográfica, limpeza, etc.
  • Procurar vários bancos, para poder escolher a melhor oferta de crédito e serviços (preços e prazos)
  • Se possível, conseguir que alguém bem próximo (que lhe conheça bem e que conheça bem alguém do banco) faça a apresentação – referência é algo muito importante
  • Não demonstrar ansiedade, pressa…isto é o pior inimigo do endividado
  • Demonstrar profissionalismo, seriedade, integridade e conhecimento
  • Ter o nome limpo na praça – ou limpá-lo com urgência

> Pessoa Física

  • Aqui não se aplica a descrição do Plano de Negócio, mas você deve apresentar claramente para os bancos como é a sua estrutura financeira, i.e. quanto ganha, quanto gasta, as dívidas que tem, como pretende equacionar o seu furo de caixa, etc.
  • Todo o resto se aplica!

2. Linha de Crédito para empresa investir

  • Um dos principais fatores para que nosso país não tenha ainda deslanchado rumo ao conceito de País Desenvolvido, é o fato não termos fontes de crédito para investimento
  • A imensa maioria das empresas – com destaque para as PME’s – procuram tais linhas, não as encontram e se contentam com linhas de capital de giro de curto-prazo, correndo um imenso risco de quebrarem no meio do caminho, porque a linha não foi renovada ou o foi parcialmente e com custo muito alto
  • O BNDES é a grande opção, com suas linhas de FINAME, POC e outras – visite o site www.bndes.gov.br
  • O BB, a CEF e outros bancos federais e regionais sempre tem algum tipo de linha de fomento. Vale a pena procurar nos sites. Clique no site da Febraban e descubra esses bancos
  • O leasing é outra opção para aquisição de alguns equipamentos
  • Em épocas de liquidez e apetite de risco elevado, os bancos oferecem outras linhas de longo-prazo para investimento. Exemplos: pré-pagamento de exportação, capital de giro longo (em geral descontando contratos e recebíveis)
  • Existem outras opções mais complexas e voltadas para empresas maiores e que são de difícil acesso
  • Exemplos: Eximbank (se você está importando um equipamento, o seu fornecedor poderá te ajudar), emissão de títulos de dívida (e.g. debentures, euronotes)

Lamento dizer, mas é só isso. Eu divido com vocês a “inspiração”, mas a “transpiração” fica por conta de cada um… especialmente nestes dias confusos e de retração do apetite de risco.

Tomar crédito hoje, no Brasil e no mundo, é tarefa de guerra. Tem que se apresentar ao banco de forma muito profissional, estudada, treinada, etc. Não é chegar lá, encostar a barriga no balcão e falar com o gerente amigo:

“E aí, amigão, o caixa apertou, você sabe, né…a crise pegou todo mundo de surpresa e vou ter que tomar um papagaio…”.

O IBAMA adverte: o papagaio é espécie em extinção e não será concedido para tomadores de crédito que não transmitam absoluta segurança para o banco!

Espero ter ajudado. Abraços, F.