Prezados, há tempos que eu tinha uma tremenda curiosidade para entender o tal Crédito Consciente do Banco Itaú, que muitas vezes chega a ser anunciado na mídia e em horário nobre. Como Banco algum tem o hábito de “ensinar” como clientes devem se relacionar com ele, sempre tive um pé atrás.

Pois bem, ontem eu me enchi de paciência e naveguei no site do banco – o tema é, na verdade, abordado num sub-site – e…FIQUEI DE QUEIXO CAÍDO!!! É muito bom! Se o cidadão/cliente ler e praticar o que está escrito ali, suas chances de ser menos esfolados pelo banco (Itaú ou qualquer outro) diminuem consideravelmente. A estrutura é mais ou menos assim:

  1. Pratique educação financeira; 
  2. Prepare-se para encarar o banco;
  3. Os produtos disponíveis para o crédito.

Há poucos retoques a serem dados, como incluir uma boa calculadora financeira e um tutorial que ensine o cliente a calcular os juros que está efetivamente pagando.

Mas… – como acontece em todos os bancos, toda essa grandeza de espírito e doação ficam comprometidas quando o cliente chega todo atrapalhado na agência, precisando de um (ou mais) empréstimo (s) e fica frente-a-frente com o gerente, igualmente sequioso por…cumprir sua meta (que sempre será muito ambiciosa!).

Aí meu amigo, o gerente vai mesmo é querer ganhar dinheiro em cima do cliente (não “na maldade”, mas comercialmente, como em qualquer outro tipo de negócio). Cabe ao cliente, i.e. você, chegar lá bem preparado (após ler e minunciosamente o site do banco e ter feito a ‘lição de casa’) e negociar forte, sempre tendo um ou mais bancos para criar um ambiente competitivo a seu favor. A FEBRABAN também traz informações relevantes para o cliente se encontrar. E o Banco Central promete divulgar tabelas sobre as taxas de juros cobradas pelos bancos.

Informação existe – e existirá com melhor qualidade -, mas falta mesmo o cliente de banco levar a sério o gerenciamento da função crédito e seu relacionamento com bancos. Há anos que eu me esforço em divulgar as melhores práticas sobre crédito em associações de classe empresariais: todos acham “maravilhoso” na hora da palestra, mas depois…esquecem do assunto e continuam transferindo sua renda para os bancos através dos juros que pagam – e reclamando que a vida é dura e injusta! Agora, estudar e trabalhar para reverter o jogo, aí falta tempo, estrutura, etc….afinal, reclamar é mais fácil…mesmo não ajudando em nada!

Suicídio econômico é diferente de assassinato econômico.

Naveguem neste  site do Banco Itau e vamos trocar idéias. Vamos melhorar esta sua vida financeira!

Fico no aguardo + abraços.

Abraços, F.

PS: procurei nos sites dos outros bancos e apenas o Santander tem algo parecido, porém menos completo e bem menos bonito.