O Presidente mais admirado e pressionado do mundo, Barack Obama, acaba de dar a sua primeira entrevista coletiva, para a imprensa americana (detalhe um blogueiro participou! Aê, beleza, é dos mano!!).

Ele atuou na sua zona de conforto, i.e. com o microfone na mão, respondendo o que queria. Aliás, ele me lembrou muito o nosso Presidente Lula. Sem gozação. Carisma de sobra e noção clara de como jogar para a platéia. Bem, parece-me óbvio que Obama tem mais classe (OK, Obama é de Harvard e Lula declara que detesta ler jornal). Obama sabe o que herdou de Bush e não se fez de rogado ao deixar isso muito claro. Tipo, “Alto lá! Esta obra não é minha e não me cobrem soluções mágicas e repentinas para as lambanças que estou herdando“. Ainda que com menor frequência agora, Lula faz isso até hoje com relação a FHC.

As 12 perguntas foram bem equilibradas, versando sobre as guerras (e o que fazer com elas), a crise financeira (e o pacote que Timothy Geithner irá apresentar nesta 3af, aparentemente) e outras questões diversas.

Mas 0 que os jornalistas da CNN e Bloomberg, e os garis da Casa Branca queriam saber mesmo não foi respondido: como retomar o crédito nos EUA? Esta pergunta, que vale USD 1 bilhão, terá de ser respondida pelo Secretário do Tesouro Geithner.

Aqui, em primeira mão, a introdução feita por B.Obama, antes das perguntas – cortesia do Wall Street Journal.

Obama tomou posse outro dia (ou melhor, que dia! 20 de janeiro, o dia do meu Aniversário!) e já deu uma coletiva. O nosso Lula levou quanto tempo? Em anos? Vários…nos EUA, se o sujeito não se comunicar corretamente o bicho pega para ele – será criticado até definhar e não se elegerá mais nem para síndico do prédio. Aqui não, pois a imensa maioria da nossa população é desprovida de educação básica, cultura, visão política, etc., etc., então pode ser “gerenciada” ao estilo Zeca Pagodinho: “Deixa  a vida me levar, vida leva eu…”. Nos EUA, não!

E até 3af, com a fala de Timothy Geithner, o dono da chave do cofre!

In Obama I have to trust…otherwise we are in deep shit, macacada!”

Abs, F.

PS: minha santa mãezinha, que assistiu parte da transimssão comigo, vaticinou: “Coitado dele, já envelheceu tanto e em tão pouco tempo“. Verdade! Foi-se o tempo em mostrava os dentes, com seu sorriso largo. Mas alguém aí faz idéia do que deve ser vida de um Presidente americano, especialmente em tempos espinhosos como este? É pra poucos, amigos, muito poucos…