Amigos –  o título deste post é um trocadilho com o best-seller global Riqueza na Base da Pirâmide, de C.K.Prahalad, que nos ensina que existe um mundo de oportunidades de negócios nas camadas mais pobres da população.

Pois bem, um dos posts que tenho mais satisfação de ter conceitualizado e escrito é este, que trata da crise e da Pirâmide do Poder Econômico – o texto foi publicado no final de outubro do ano passado e vai se provando cada vez mais preciso com o passar do tempo (NDR: perdõem-me pela egotrip!). 

Além da amplamente divulgada quebradeira de bancos, demissões dos seus abonados funcionários e destruição de valor dos acionistas destes, a revista Forbes nos informa o seguinte:

  1. A destruiçao de valor das fortunas atingiu USD 2 tri em 1 ano = 1 PIB da Itália!
  2. Só Bill Gates viu seu patrimônio derreter USD 18 bi bi!
  3. 55 russ0s deixam de ser bilionários. Algum com pena por aí?…

No Brasil – leio que por aqui alguns não tão ricos também perderam fábulas. Esclareço: NÃO falo de Eike Batista et caterva, mas dos aposentados e pensionistas do Banco do Brasil. Como assim? A PREVI – fundo de pensão daquele banco estatal – viu sua carteira de ativos perder R$ 26 bi!! O mesmo vale para todos os fundos de pensão e investimentos que estavam carregados em ações e achavam que “já está barato demais, não cai mais que isso…” ou que se entupiram com aqueles IPO’s maravilhosos que sairam em 2006 e 2007, e cuja liquidez dos papéis era próxima de zero.

“Bem feito! Esses ricões tem que se ferrar” – Lamento, mas não concordo com os que se locupletam com a situação acima. Se o empobrecimento dos ricos ajudasse os pobres, aí tava tudo bem. Seria algo como uma obra divina, em que uma crise capitalista promovesse uma fantástica redistribuição de renda em escala planetária. Não é o caso, pois:

  1. Os ricos (países, bancos, fundos, empresas, pessoas, etc.) é que financiam e movimentam a roda do desenvolvimento. E é o desenvolvimento econômico que reduz a pobreza da Zona Sul…do Planeta.
  2. É óbvio que o desenvolvimento econômico enriquece mais os já ricos, pois o capitalismo é sim desigual. Mas também ainda não inventaram nada melhor do que ele…

Exemplos tolinhos:

  1. Um Bill Gates ou um Warren Buffet mais ricos – e menos apoquentados com esta crise – estariam investindo mais em filantropia e fazendo suas empresas investirem no Brasil e em outros países de casta similar (NDR: perdõe-me, mas estava assistindo Caminho das Índias, com a Patroa…).
  2. Bancos e fundos de investimentos saudáveis continuariam despejando linhas de crédito e recursos no Brasil.

E por aí seguiria…

É uma “pena” que o pêndulo da nossa existência seja tão preciso: ganância em excesso será compensada com a praga da destruição de valor. E os pobres que, sem pedir, melhoram de vida graças ao “cassino dos ricos”, também sem pedir irão devolver parte das esmolas e migalhas recebidas (só uma parte, felizmente…).

Abraços e bom domingo! F.