Caro – a entrevista abaixo saiu na coluna Mercado Aberto, do Guilherme Barros, na Folha de São Paulo desta 4af, dia 22. Ela foi ‘picotada’ demais e não parece muito simpática, mas a mensagem é: AS EMPRESAS PODEM PAGAR JUROS MENORES…SE QUISEREM! Abraços, Fernando

Tomador tem culpa por “spread”, diz especialista

A culpa pelo alto “spread” cobrado pelos bancos é também do tomador. A opinião é de Fernando Blanco, presidente da seguradora de crédito Coface no Brasil. Para Blanco, a maioria das empresas brasileiras não sabe pesquisar taxas e negociar.
“Muitas entregam aos bancos o detalhamento das contas no papel de pão. Na hora de negociar taxas, os dados são incompletos, os balanços, mal costurados, e a barganha, fraca.” Isso provoca aumento das taxas.
“Outras, que detalham as contas, recebem mais limite com mais bancos. Paga menor “spread” quem tem excesso de oferta de crédito, ou seja, você precisa de R$ 100 e tem R$ 200 de oferta.”
Blanco diz que as empresas deveriam estimular a competitividade. “A solução é capacitação creditícia e profissionalização das relações bancárias, por parte do empresariado. Não adianta só reclamar, há uma dinâmica de risco na transação.”
Para Blanco, a concentração dos bancos também não é o vilão. “No Brasil recente, a concentração é notória. Mas, na Holanda, o “spread” pago pelo cidadão é muitas vezes um terço do pago pelo americano. E a Holanda tem só três bancos dignos de menção, enquanto os EUA têm 7.000.” O motivo, diz ele, é que o holandês poupa muito e se endivida pouco, ou seja, os bancos tentam emprestar a qualquer preço.

com JOANA CUNHA, MARINA GAZZONI