Então, vazaram tanta coisa do Stress Test, que o anúncio foi um verdadeiro anti-climax. Afinal, o mercado precisa de “apenas” USD 75 bi de capital novo. Uma mixaria, convenhamos!…

Minha visão sobre o assunto:

1. Lado positivo:

  • Não é tanto dinheiro assim, pois o TARP (programa do Tesouro americano para resgate dos bancos) tem dinheiro suficiente para isso. Desta forma Obama & Geithner não precisarão ‘passar o chapéu’ lá no Congresso (e apanhar como aparanharam Paulson & Bernanke).
  • Os bancos já estão levantando capital – e com aparente facilidade. Leiam esta nota da Bloomberg.

2. As Grandes Dúvidas:

  • Uma coisa é o stress test não gerar pânico, outra coisa é gerar confiança nos investidores e clientes, para que estes voltem a comprar CD’s dos bancos.
  • Quantos bancos ainda estão ‘pendurados’ em linhas emergenciais do FED? Ninguém sabe. O volume já foi de USD 2 tri! E não havia sequer interbancário. Quando e em que volume o interbancário voltará?
  • Quando os bancos – bons e não tão bons – voltarão a emprestar? É isso que precisamos para que a economia volte a se aquecer. Será que os bancos,  mesmo tendo passado no stress test, terão apetite de crédito neste momento em que a economia está tão estagnada?

Terra de Marlboro – no melhor estilo americano, que divide os fortes dos fracos, o resultado do stress test irá separar “bancos sólidos” de “bancos não sólidos”. Isto poderá provocar um tremendo efeito negativo para bancos como Bank of America/Merril Lynch, e.g. perda de depósitos, perda de clientes, custo de funding mais elevado, etc.

Mais do que nunca, os incentivos fiscais dados pelo governo Obama precisam fazer sua parte, pois do contrário os bancos continuarão paralisados. Notem que o mercado está relativamente feliz hoje, por conta do anúncio do número de novos desempregados: “só” 539 mil, quando esperavam uns 600 mil. Meio milhão de novos desempregados e isso é bom porque a curva de crescimento apenas desacelerou…

Para terminar, concordo com o sub-título da página do Wall Street Journal, publicada em português pelo Valor Econômico de hoje: “Tesouro, bolsa e sistema bancário ganham novo fôlego”. É só isso: fôlego temporário, nada de solução definitiva.

Abraços, F.